Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bons rapazes, grandes Homens

Bons rapazes, grandes Homens

Here, I confess (Taking Ownership)

11.07.18 | Jack Sparrow
Lutaste pelo seu coração.

Conheceste-a, aprendeste a amá-la e lutaste para ganhar o amor dela.

Fizeste tudo isso instintivamente através da corte, através dos elogios, ao partilhar os teus sonhos e pensamentos. Estabeleceste uma ligação.

Então a vida aconteceu. Casamento, trabalho e crianças competiram e monopolizaram a tua atenção. Os dia a dia rotineiros adormeceram-te os sentidos e o stress cobrou o seu quilo de carne. Sem te aperceberes, a tua relação tornou-se o dano colateral de uma e exigente vida.

È uma história tão conhecida, mas se a deixares à deriva o dano começa a acumular. Entra a indiferença e apatia, e eventualmente, solidão.

Na realidade, não é culpa de ninguém. È o tipo de normalidade que acontece facilmente e sem esforço algum. Não se trata de encontrar o dono da culpa, trata-se de a combater antes que seja demasiado tarde. E de saber reconhecer o “demasiado tarde” antes que ele chega.

Porque ela vai sentir a corrente de ar gelada que irrompe a relação antes que tu alguma vez a sintas.

Cerca de 70% dos divórcios são iniciados por mulheres. Muitos homens dizem que nunca perceberam o que aí vinha até ser demasiado tarde. Isto tem um nome. Síndrome de divorcio súbito.

Tirando que não há nada de súbito para ela. È normalmente uma morte lenta e dolorosa.

Ela diz-te que precisa de mais. Ela diz-te que se sente sozinha ou desconectada. Isto é ela, a pedir-te que lutes.

Isto é ela a sentir-se muda, esquecida, dispensada.

Ela sente que as necessidades dela são um incómodo. Uma mosca que só sai de ao pé de dela depois de agitar e esbracejar em frustração.

Ela sente que o papel dela na tua vida se tornou nada mais que apenas funcional.

Ela sente que te tenta chamar com fogo de artifício à medida que tu continuas a tua vida, mas que nem a maior explosão te vai chamar à atenção.

Ela sente que está a combater pelo casamento e suplica-te que te juntes a ela. Apenas para se aperceber que ficou sozinha no campo de batalha.

Ela quer que tu faças o teu trabalho para ficares concentrado no casamento. Não tem glamour, nem é sexy. Mas muito necessário. È o que tem de ser feito.

Se não a ouvires, ou minimizares o que ela te diz ou até a ignorares… ela vai acabar por se sentir rejeitada. Sem importância. Esquecida.

A sensação de vazio sufoca o casamento. Sozinha. Cansada. Anos a tentar ser ouvida, anos a tentar recuperar a ligação. As palavras dela sendo abafadas pelo ruído de uma vida atarefada. Fala. Suplíca. Grita. Apenas para ver um encolher de ombros. Ou um olhar de solsaio. Ou palavras vazias. Nao chega.

E então… Ela deixa de sentir. A falta de tudo começa a ocupar o todo onde antes havia amor. Onde o amor costumava vibrar.

Com o tempo, ela fica em silêncio.

E este silêncio, não é dourado

Muitas vezes os homens entendem este silêncio como conformismo. Ela não se queixa ou faz birras ou diz que está infeliz então deve estar tudo bem.

Tu podes ficar contente ou até feliz. As coisas estão bem e em paz à superfície. Mas a rotina que achas tão confortante apenas é a fria realidade dela.

Ela precisa de mais.

Ela precisa de sentir que ainda a achas merecedora de lutares por ela.

Ela quer que te preocupes o suficiente para a ouvir quando ela te diz que precisa mais de ti. E tu ouves as palavras dela como um desejo de melhorar a relação e não como crítica, como um grito de armas.

Ela vai ficar sozinha, muito antes que tu o sintas.

Ela vai sentir a solidão e a desilusão penetrarem os seus ossos antes que tu te apercebas que há alguma coisa de mal.

Ela vai pensar em todas as vezes que te tentou chamar para to dizer. Ela vai sentir uma dor aguda por sentir que não lutaste por ela depois de cada súplica que ela te fez e que não notaste ou que rejeitaste. Tu ouviste-a. O pedido dela por mais ligação, ou que tu a ajudasses a curar o que a magoava e o que vos fazia morrer. Provavelmente nunca te apercebeste que era muito mais que um desejo ou um sonho, quando era na verdade um grito de desespero.

Não te apercebeste que o número de vezes que ela iria pedir por ajuda tinha um limite antes de ela decidir desistir. E quando ela chegar nesse lugar, já vai estar tudo vazio e amargo.

Ela precisa que tu acordes e vejas que ela não consegue viver num lugar dormente e ermo de emoção.

De se sentir sozinha quando tu és a pessoa mais próxima dela e quando juraste que a ias amar para sempre. E agora ela sente-se sozinha; para sempre. Enquanto o sempre dela durar

Se vires a luz desvanecer-se nos olhos dela poderás já ter chegado muito tarde. Irá chegar uma altura em que por muito que queiras arranjar tudo, já nenhuma ferramenta te vai ajudar porque já não percebes o que se partiu

Não deixes isto acontecer

Apatia e a morte do amor.

Tens de lutar por ela

Luta e não deixes que nada te impeça de ficarem juntos; torce e dobra-te fora da tua zona de conforto e faz o que for preciso para a segurar.

Luta pelo que quiseste e pelo que tu ainda queres. Luta para não a perderes.

Não tragas flores ou joias, esta luta não se ganha com dinheiro.Basta apareceres.

Emocionalmente e fisicamente. Uma, e outra, e outra vez..

E não desistir

E recusar aceitar apenas existirem juntos

E chamá-la à luta quando ela já desistiu

Significa não apenas acalmá-la ou apaziguá-la. Não te tornes num “YES” man - isto seria apenas mais uma forma de apatia.

Significa ser honesto

Significa dizeres o que que precisas dela

Significa conseguires-lhe dizer o que precisas. E se nao tiveres palavras, que ao menos tentes dizer com os sons que te saiam da boca..

Significa puxá-la para ti quando ela te estiver a empurrar.

Significa aceitar os pedidos de ires a terapia com ela

Significa compreender as mágoas que te consomem há anos e que a também a afectam. E insistir que ela também resolva as mágoas dela.

Significa voltar ao que eras quando lutaste por ela quando a conheceste. Quando ela fez o teu coração saltar umas batidas mas te sentiste mais vivo que nunca. Quando ela era a razão pela qual acordavas pela manhã e querias enfrentar o mundo. Procura esse sentimento outra vez. Desenterra-o debaixo da mágoa, amargura e orgulho porque se ele ainda vive dentro de ti, tu não podes desistir dela. LUTA.

Luta para mostrares que nunca te irás embora. Que nunca vais desistir dela.

Não sejas o tipo que nunca lutou, o tipo que tem arrependimentos porque a mulher que ele amou ama agora outra pessoa. O tipo que se apercebeu demasiado tarde que precisava de lutar pelo seu amor.

A paisagem está escamoteada de corações etiquetados de “muito tarde”

Sê o tipo á chuva. Se o tipo que não desistiu dela porque era demasiado doloroso. Sê o tipo que vai passar a vida com a pessoa que ama e não o tipo que a vai ver afastar-se com outro gajo qualquer.

Se ouvires com muita atenção, ela tem-te estado a dizer como lutar. Ela tem-te estado a dizer o que ela precisa e o que ela quer. E se ela nao te disser? Pergunta-lhe. E depois diz-lhe como precisas que ela lute por ti. Mas não deixes morrer porque escolheste o caminho com menos resistência. Não sejas gentil, Não sejas o tipo que deixou passar o amor da sua vida pelas mãos.

Se a amas, luta por ela.

1 comentário

Comentar post