Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bons rapazes, grandes Homens

Bons rapazes, grandes Homens

Happy wife, happy life

28.12.18 | Jack Sparrow

Pode parecer uma ideia de génio, mas este mito pode ter sérias implicações para um homem e para os seus relacionamentos. 

 

Tem se dito de homem para homem enquanto se pisca o olho, se esboça um ligeiro sorriso enquanto se usa uma boa dose de sarcasmo. Ouvimos este mantra em todo o lado: nos cafés, restaurantes, filas de espera, trabalho, no nosso casamento e até em reuniões de “homens”, onde o que se diz tem de lá ficar em segredo. Independente de como seja entendido, muitos homens acreditam que isto é verdade.

 

“Mulher Feliz, Lar Feliz” (pisca o olho)

 

Este mantra aparentemente inocente tem implicações que alcançam muito mais do que homens e mulheres conseguem imaginar. Deixem-me partilhar o que aprendi devido a ter sido eu próprio um seguidor deste mito, como pode desgastar uma relação à medida que o tempo passa e o que farei para ter a certeza que nunca mais vou cair nesse erro

 

Mulher Feliz:

Também é um acto nobre para um marido aspirar a ser feliz. Claro que ele quer que a sua esposa seja feliz. Ele decide fazer o seu melhor para que ela seja feliz. Ele faz coisas que sabe que a agradam e evita coisas que sabe que a vão chatear. Ele põe as necessidades dela a frente das dele para demonstrar que é um marido carinhoso e preocupado.

 

Uma vida feliz:

Uma vida feliz é o desfecho antecipado para os maridos que tem uma esposa feliz. As recompensas vêm para um homem por atingir as coisas na  lista de afazeres que fazem a mulher feliz e que a fazem a sua prioridade. Recompensas na forma de mais saídas com os amigos, ver um jogo sem interrupção, mais sexo, ou até compras de utensílios desnecessários porque… bem… homens são assim

 

Sistema de Barter: Este conceito é usado há séculos, mesmo antes do dinheiro ser inventado. “Dou aquilo que tu queres para eu ter aquilo que eu quero.”

E o que tem isto de errado??? Num relacionamento… TUDO

 

Para os Homens:

Os homens não se vão comportar com a integridade ou autenticidade quando se põe um sistema como estes num relacionamento. Eles não vão partilhar o que é importante para eles. Eles diminuem a noção do seu próprio valor. Os homens vão começar a assumir pressupostos. Através de tentativa e erro, eles vão tentando descobrir o que funciona e também o que não faz a sua esposa feliz - isto baseado no dia em si, na sua disposição, etc… Muitas vezes assumem tudo de forma errada…

Viver desta forma leva a desilusões a longo prazo, frustração, ressentimento e resignação para um homem. Começam a desenvolver sentimentos como “porque é que ela tem tudo o que quer e eu não? Será que ela não vê o quanto eu sacrifico por ela?”

 

Evitar o conflito por causa das coisas pequenas diárias vai levar a evitar o conflito por causa das coisas que realmente interessam, porque não se implementa uma cultura de comunicação e compreensão desde cedo. Os homens tornam-se distantes e não comunicativos quando não discutem como se sentem e quando não conseguem comunicar o que e importante para eles. Desistem ao ponto de uma pequena conversação se tornar desconfortável. O ressentimento e frustração apenas aumentam… A uma determinada altura, os homens decidem que já chega. Podem experienciar uma crise de meia idade, um problema de saúde, entram em casos extra conjugais,  bebem mais, gastam desmesuradamente ou tornam-se fisicamente e emocionalmente ausentes.

 

A medida que um homem suprime a sua própria felicidade para garantir a felicidade da sua esposa, apenas está a semear as sementes da sua própria rebelião no futuro. No fim vai agir com base na sua supressão de sentimentos e por se aperceber que está encalhado emocionalmente.

 

Para as mulheres:

O conceito de “mulher feliz, lar feliz”  parece na realidade uma situação de grande vantagem para as mulheres. Que mulher não gosta de ser colocada em primeiro lugar numa relação? Um sonho tornado realidade para a esmagadora maioria. “Romântico”, acredita ela. “Ele ama-me tanto que coloca a minha felicidade a frente da sua própria felicidade”. Receber o que ela quer é quase como se fosse fast food para o ego - satisfaz imediatamente, mas a longo prazo, cria sentido de legitimidade sobre o poder na relação. Ela tem a capacidade de recompensar o marido, ou não, baseado no seu próprio nível de felicidade. Isto envenena a relação a medida que  tempo passa. Ao adoptar este mito, a mulher perde a oportunidade de conhecer quem o seu marido realmente é, e sabota a sua oportunidade em experienciar um relacionamento profundo, legítimo e satisfatório.

 

Que tipo de relação uma mulher quer? Uma de honestidade, respeito e confiança, ou uma pejada de mentiras e inverdades?

 

Ambos, ao voluntariamente participarem  no mito de “mulher feliz, lar feliz” estão apenas a criar uma relação de codependência: “preciso de ti para me completares” ; “preciso de ti para ser feliz”; “preciso de ti para validar a noção do meu valor”.

 

Isto nao é Amor

 

Um relacionamento que perdure no tempo tem de ser construído em verdade, honestidade e respeito. Apenas através de conversação vulnerável, pode um casal compreender o que e importante, para cada um deles, e no seu relacionamento.

A nível pessoal,  é muito difícil dizer a verdade. Honestidade pode resultar em magoar alguém. Temos medo de terminar um relacionamento, perder um emprego, ou até perder um modo de vida. Por isso evitamos muitas vezes de dizer a verdade na tentativa de minimizar o conflito e evitar possíveis consequências negativas.

 

Numa relação “Mulher Feliz, Lar feliz”, os homens sofrem em silêncio e as mulheres acreditam que está tudo bem desde que elas tenham o que querem.

 

Eu nao perpetuarei mais este mito, Tem de haver igualdade nos relacionamentos neste nosso presente. Já passei por um casamento onde não havia igualdade na relação. Eu já entendi o que fiz de errado e reconheci a minha contribuição para o meu passado.

 

No futuro, vou sempre escolher honestidade. Quero escolher ser amigo. Quero escolher o que é melhor para os dois e crescer individualmente e como um parceiro. Quero conversar sobre os desafios quando eles aparecerem e sei que vai ser desconfortável muitas vezes. Não é fácil ser honesto e vulnerável - é uma escolha consciente que demora tempo a colher os benefícios. Um relacionamento baseado na confiança, envolve cooperação e discussão quando há prioridades em conflito. Soluções devem ser atingidas por empatia, compaixão, respeitosas e com conversas cheias de amor. Isto sim cria intimidade e não as acrobacias sexuais no quarto.

 

Mulheres: Criem um ambiente seguro e sem julgamentos onde os homens possam partilhar os seus desejos, sentimentos e os desafios ao vosso modo de pensar.

 

Homens: Deem se permissão para fazer da vossa felicidade uma prioridade. Falem com a vossa companheira, sinceramente, sobre o  que vocês querem e porquê.

 

Construam uma relação baseada em respeito e amor.

Tratem-se como iguais

Sejam o melhor amigo um do outro