Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bons rapazes, grandes Homens

Bons rapazes, grandes Homens

Escolham escolher. Ou escolham partir

16.08.18 | Jack Sparrow

Os relacionamentos duram não porque duas pessoas se escolhem uma à outra. Elas duram porque fazemos uma escolha - e a refazemos - dia após dia.

 

Passei 5 anos a magoar alguém bom apenas por ter ficado com ela mas nunca a tendo escolhido.


Eu queria mesmo ficar com ela. Eu sempre a quis escolher. Ela era uma mulher refinada, brilhante, engraçada e muito sensual. Ela conseguia fazer o seu corpo rir com a sua espontaneidade e conseguiu por o meu cérebro em curto circuito com a sua beleza exótica
Acordar todas as manhãs ao seu lado enquanto a resguardava no meu abraço era o meu lugar feliz, a minha casa. Eu amava-a loucamente.

Infelizmente, como muitas vezes acontece com casais jovens , a nossa ignorância em fabricar o amar rápido e bem, rapidamente criou desafios na nossa relação. Não passou muito tempo até que os matutinos festejos de vida cederam o lugar à forma remendada e imatura de gestão de rotina diária conjunta, fazendo com que muitas vezes eu me perguntasse se haveria outra mulher por esse mundo que fosse mais fácil de amar, e que me pudesse também amar melhor


Com o passar dos meses, esse pensamento ecoa cada vez mais pela minha cabeça, eu a comecei a escolhê-la cada vez menos. Todos os dias, durante cinco anos, escolhi-a um pouco menos a cada dia que passava.

 

Eu fiquei com ela. Mas eu também parei de a escolher e por isso nós os dois sofremos.

 

Escolhê-la significaria concentrar-me todos os dias nos milagres que ela trazia para a minha vida e aos quais eu poderia facilmente ter demonstrado gratidão por serem tão naturais para ela: o riso, a beleza, a sensualidade, o quão era divertida, o companheirismo que ela sempre teve, e então mais… muito… mais.

 

Infelizmente, muitas vezes achava quase impossível de abraçar - ou até mesmo de ver - tudo o que era tão esplendorosamente maravilhoso sobre ela.

 

Eu estava muito concentrado na raiva, em inseguranças, objectivos pessoais e outros aspectos de sua personalidade forte que me irritavam. Quanto mais eu me concentrava no pior dela, mais eu via, e mais eu projectava o que sentia de volta para ela, oferecendo deste modo o meu pior comportamento. Naturalmente, isso apenas ampliava a tensão no nosso relacionamento ... o que ainda me a  fez escolher ainda menos, fechando-se o padrão do ciclo vicioso.

 

Assim, a nossa horrível espiral de morte foi se desenrolando ao longo de cinco anos.

 

Ela lutou muito para que eu a escolhesse a ela. Mas ela esteve sempre condenada ao fracasso; não podemos obrigar ninguém a escolher-nos, mesmo quando eles nos amam.

 

Para ser justo, ela não me escolheu totalmente também. As injúrias raivosas que ela muitas vezes me lançava foram prova suficiente disso.

 

Apercebo-me agora, no entanto, que ela estava com muita raiva porque não se sentia segura comigo. Ela sentiu que eu não a escolhia todos os dias, via-o nas minhas palavras e ações, e temia que eu a abandonasse.

 

Na realidade, foi o que eu fiz, eu abandonei-a. Muito antes de ela me ter abandonado a mim.

 

Não a escolhendo todos os dias durante cinco anos, ao concentrar-me no que mais me incomodava do que no que mais adorava, eu abandonei-a. Abandonei-a como uma preciosa flor perfumada que eu trouxe orgulhosamente para a minha casa, mas depois não tive a responsabilidade de regar, deixei-a sozinha de inúmeras maneiras ficando a secar no calor quente e seco do nosso relacionamento íntimo.

 

Eu nunca mais vou não escolher outra mulher que eu ame novamente.

É uma tortura para todos

 

Se estão num relacionamento, convido-vos a fazerem esta pergunta:

“De que maneira vou escolher o meu parceiro(a) hoje?”

Se não encontrarem uma resposta satisfatória, esforcem-se e encontrem uma. Pode ser uma coisa tão simples como perceber que, na verdade do seu coração mais profundo, apenas precisam de estar presentes e fazerem-se presentes.

 

Se  não conseguirem encontrar nada hoje, perguntem-se novamente amanhã. Todos nós temos dias desligados.

 

Mas se muitos dias se passarem e vocês simplesmente não se conseguem conectar com o motivo pelo qual estão com o vosso seu parceiro(a), e o vosso relacionamento está repleto de conflito, deixem-nos ir. Criem a abertura e o espaço para que o outro ser humano possa aparecer e tentem vê-lo com novos olhos e um coração ansioso e que os escolherá com entusiasmo todos os dias.

 

Quem vocês amam merece ser escolhido de forma entusiástica. Todos os dias.

 

E vocês também merecem ser escolhidos, obviamente.

 

Apenas escolham escolher. Só isso.

 

2 comentários

Comentar post